País recebe em 2014 as primeiras ‘Smart Grids’

smartgrid.jpg12.11.2013 (Brasil Econômico)
Primeiro passo será a oferta de medidores digitais de energia aos clientes já em fevereiro
 
A partir de fevereiro de 2014, as concessionárias de energia elétrica terão de disponibilizar medidores eletrônicos de luz para os consumidores que solicitarem. O novo equipamento, que deve ter um  custo partilhado entre cliente e a distribuidora, vai permitir o gerenciamento automático do consumo por parte do cidadão - até pelo celular, via internet ou mensagem de texto - e a redução de custos de transmissão pelas concessionárias, que poderão prever sobrecargas e atuar remotamente para sanar o problema. A iniciativa é apenas o primeiro passo para a adoção do sistema denominado Smart Grid, que é um dos principais elementos das chamadas cidades inteligentes. "Não há um cronograma para que o país adote todos os mecanismos que compõem o mix de possibilidades tecnológicas doSmart Grid. Mas desde 2009 a Aneel vem estimulando as concessionárias a tomarem iniciativas favoráveis ao projeto", diz o diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), André Pepitone, que esclarece que, para os medidores, as empresas terão de oferecer o equipamento, previamente aprovado pelo Inmetro, a partir de fevereiro de 2014.
 
Em junho, a cidade de Barueri (SP) deve se tornar o primeiro município em região metropolitana do Brasil a implementar de forma total o conceito de Smart Grid. Responsável por abastecer os 250 mil habitantes da região,   Eletropaulo prevê estender a rede de distribuição eletrônica de energia por todo o município até 2017. "O diferencial dosistema é uma rede de distribuição com equipamentos de monitoramento à distância que permitem prever e contornar problemas remotamente. Sem falar dos medidores digitais, que permitirão ao cliente autogerenciar seu consumo via internet ou por SMS no celular", afirma a diretora regional da Eletropaulo, Maria Tereza Vellano, que acrescenta que os clientes de Barueri não terão de pagar pelo novo equipamento eletrônico. No Rio de Janeiro e em Minas  Gerais, as concessionárias de energia elétrica contam com projetos pilotos ainda sem previsão de saírem do estágio de experimentação. Responsável pelo fornecimento de 2,5 milhões de clientes em 66 municípios do Estado do Rio, a Ampla testa em Búzios o modelo de fornecimento de energia automatizada, com a possibilidade de o consumidor escolher o melhor horário e tarifa a ser utilizada.
 
A Light, que atua na capital do Rio, entre outros municípios, adota um sistema de medição inteligente para 420 mil clientes, entre indústria e varejo. A empresa prevê, em dez anos, expandir os medidores inteligentes para 2 milhões de consumidores, entre eles os domésticos. Já a Companhia Energética de Minas Gerais, Cemig, já testa a eficiência de 5.025 medidores inteligentes que usam a tecnologia de radiofrequência para transmissão  de dados em unidades consumidoras de Sete Lagoas, na região Central do Estado. A previsão da empresa é instalar mais 3 mil aparelhos na cidade até agosto do ano que vem - todos já certificados pelo Inmetro. Após essa data, a empresa vai estudar a possibilidade de implementar o programa em larga escala.
 
Diretor da empresa de tecnologia Imagem, Fábio Paiano, destaca que em países que contam com avançadas redesSmart Grid, como os Estados Unidos e a Europa, a melhoria no gerenciamento da energia elétrica contribuiu, inclusive, para a redução nos preços das tarifas aos consumidores. "Além do estímulo ao racionamento, as empresas concedembenefícios reais aos clientes, oferecendo tarifas menores para quem usa o chuveiro elétrico fora do horário de pico, por exemplo", frisa. Aqui no Brasil, uma nova iniciativa prevê garantir melhores tarifas de energia elétrica aos consumidores a  curto prazo. Segundo o diretor da Aneel, André Pepitone, está pronta para ser aprovado pelo colegiado da Aneel a resolução que autoriza o sistema de conta de luz pré-paga. "Diferentemente do  celular, onde o pulso da ligação é mais caro, almeja-se uma tarifa igual e até menor, o que vai depender do nível de adesão dos consumidores", antecipa André Pepitone. (Brasil Econômico, 12/11)
home features revista

REVISTA CIER

Confira todas edições da Revista CIER
"Sem fronteiras para a energia"
 Agenda

AGENDA ENERGÉTICA

Desafios e oportunidades na América
Latina e no Caribe
 

 

Strategy

SÍNTESE INFORMATIVA

Informações do setor energético
no Brasil e na América Latina
 Strategy

NOTÍCIAS

Acompanhe as últimas notícias 
do setor energético
 

 

Ideas

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Leia as edições anteriores