EDP foca expansão e melhoria da geração e redução de perdas na distribuição

O presidente da EDP Energias do Brasil, Miguel Setas, ressaltou nesta quinta-feira, 3, que a companhia continuou avançando, no decorrer de 2015, em direção ao objetivo dos cinco focos considerados estratégicos neste momento. Entre eles estão a virada na térmica de Pecém, as obras das hidrelétricas de Cachoeira Caldeirão e São Manoel, a redução das perdas nas distribuidoras, além de iniciativas de mitigação de riscos e redução de custos.

Da lista, apresentada durante coletiva com a imprensa, o executivo destacou a melhoria das operações da usina de Pecém I, que encerrou 2015 acima das expectativas, depois de ter apresentado resultados decepcionantes nos dois anos anteriores. A usina registrou Ebitda de R$ 523 milhões no ano passado, ante os R$ 46 milhões em 2014, e reverteu o prejuízo, para anotar um lucro de R$ 22 milhões. A usina também elevou sua taxa de disponibilidade, que alcançou 88%, acima dos 76% do ano anterior e dos 62% de 2013. "A usina foi feita para despachar 50% do tempo e agora está sendo operada 100%", destacou.

Setas também citou a evolução das obras físicas das hidrelétricas de Cachoeira Caldeirão, esta com 95% de evolução física, e São Manoel, com 37%. Na primeira usina, a obrigação era entrar em operação apenas em janeiro de 2017, mas já está em fase de comissionamento e testes. "Vamos ver de que maneira conseguimos antecipar a data", disse. Já no caso de São Manuel, no qual a companhia possui 33% do capital, a entrada em operação é prevista para maio de 2018. "O nosso objetivo é entregar as obras dentro do orçamento e dentro do prazo, esse é o desafio que lutamos todos os dias", disse.

Outro ponto destacado pelo executivo está relacionado aos indicadores de serviços das controladas EDP Bandeirante e EDP Escelsa. A prioridade, neste caso, é reduzir as perdas não técnicas, sobretudo no caso da Escelsa, que ainda registra indicador acima da meta regulatória.

pecemI

Ainda assim, disse Setas, em 2015 a companhia conseguiu reduzir as perdas em suas duas distribuidoras, a Bandeirante Energia e a Escelsa, em 1,55 ponto porcentual e 2,98 p.p., respectivamente. "No ano em que tarifas aumentaram mais de 50%, reduzir as perdas é significativo", disse.

Setas ainda destacou o controle de custos que a companhia vem desenvolvendo, e que levou a EDP a registrar um aumento dos gastos abaixo da inflação. O movimento seguirá em 2016, salientou o executivo.

Aquisições

Setas indicou que a companhia está atenta a oportunidades de aquisições no setor elétrico do País, mas salientou que o foco do grupo é na execução dos compromissos assumidos, como a construção das usinas de Cachoeira Caldeirão, São Manuel e investimentos em distribuição.

"No contexto atual surgem oportunidades que têm de ser analisadas uma a uma. Mas afirmar o interesse da companhia em qualquer tipo de ativo é pura especulação", disse, admitindo, porém, que tanto oportunidades de geração como em distribuição são analisadas.

O crescimento orgânico para além das obras já assumidas também não está nos planos de curto prazo da empresa. Segundo Setas, diante do cenário de retração de demanda e das novas capacidades que devem entrar no sistema no futuro próximo, que vai colocar o País em um ambiente de excesso de oferta, a EDP não tem projeto previsto para participar nos próximos leilões.

As perdas provocadas por ligações clandestinas representam riscos e um aumento na    tarifa de energia. Este é o tema do curso Perdas e Inadimplência na Distribuição, que será ministrado pelo consultor e atual Assessor Jurídico da Abradee, Fábio Amorim.   Funcionários de empresas afiliadas ao Bracier tem desconto na inscrição.                   Outros detalhes aqui.
 

(ISTO É DINHEIRO, 04/03/2016)

Tags: tarifa, setor elétrico, Perdas, Cursos Bracier, hidrelétricas, EDP Energias do Brasil, Cachoeira Caldeirão, São Manoel, Pecém I,

home features revista

REVISTA CIER

Confira todas edições da Revista CIER
"Sem fronteiras para a energia"
 Agenda

AGENDA ENERGÉTICA

Desafios e oportunidades na América
Latina e no Caribe
 

 

Strategy

SÍNTESE INFORMATIVA

Informações do setor energético
no Brasil e na América Latina
 Strategy

NOTÍCIAS

Acompanhe as últimas notícias 
do setor energético
 

 

Ideas

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Leia as edições anteriores