União passará a comprar energia do mercado livre podendo economizar até R$ 400 milhões

Expectativa do ministro de Planejamento, Dyogo Oliveira, com queda de 20% nos gastos

O governo pretende mudar a forma de comprar energia elétrica e passará a contratar pelo mercado livre e, com isso, deixará de ser um consumidor comum com o objetivo de economizar gastos. “O governo federal adquire hoje como um consumidor individual. E temos uma conta da distribuidora local. Entretanto, pelo porte e pelo volume, o governo passará a comprar pelo mercado livre, é o que grandes consumidores fazem”, disse o ministro-interino do Planejamento, Dyogo Oliveira. “Nossa expectativa é que isso represente uma redução de 20% nas despesas em relação ao que se tinha anteriormente”, emendou. O procesos de mudança começará a partir do segundo semestre e a economia deverá ser de R$ 400 milhões por ano a partir de 2018.

De acordo com o Oliveira, o governo registrou queda real (descontada a inflação) de 2,6% nas despesas de custeio administrativo em 2016. Os gastos com essa rubrica que inclui, por exemplo, serviços de apoio, material de consumo, diárias e passagens e energia elétrica, somaram R$ 34,9 bilhões de janeiro a dezembro do ano passado, conforme dados divulgados nesta quarta-feira (8/02) pela pasta. “Os itens que mais contribuíram para essa redução foram as despesas com passagem, que caíram mais de 20%, e com material de consumo, que diminuíram 7,2% e a locação de imóveis e as despesas com apoio com quedas reais de 6,3%”, destacou o ministro.

energia mercado livre

Os dispêndios com passagens foram um dos que mais caíram no ano passado. Somaram R$ 560,1 milhões, um recuo de 20,5%, em termos reais. Já os reembolsos de diárias foram na contramão. Subiram 17,2%, para R$ 652,5 milhões Esse aumento ocorreu, segundo Oliveira, devido à realização de grandes eventos executados pela Força Nacional, como as Olimpíadas no Rio, que demanda o pagamento de diárias. Outro gasto que também cresceu foi o com energia elétrica e água, que aumentou 6,3%, para R$ 2,6 bilhões, como reflexo dos reajustes tarifários.

De acordo com a pasta, se forem descontadas as despesas com energia elétrica e com serviços bancários, a queda real teria sido de 4,9% para R$ 30,9 bilhões. Oliveira informou ainda que, em breve, será publicada uma tabela com a limitação das despesas de custeio de cada item. Segundo ele, o governo continuará na busca de redução de gastos, revendo uma série de contratos ao longo do ano. “Despesa é como grama, você corta e ela cresce de novo”, afirmou.

(CORREIO BRAZILIENSE, 08/02/2017)

 

VOCÊ SABE COMO A TARIFA DE ENERGIA É CALCULADA?

Entenda os conceitos relativos ao modelo de regulação vigente do sistema de distribuição de energia e a formação da tarifa em nosso país. Inscreva-se no curso A Tarifa de Energia Elétrica: Regulação Econômica e Tarifa de Energia, promovido pelo BRACIER e ministrado pelo consultor e professor Denis Antonelli, e que acontece no próximo dia 24 e 25 de abril, no Centro do Rio de Janeiro. Inscrições e informações aqui.

Tags: tarifa, energia, conta de luz, Olimpíada, distribuição, mercado livre, Força Nacional,

home features revista

REVISTA CIER

Confira todas edições da Revista CIER
"Sem fronteiras para a energia"
 Agenda

AGENDA ENERGÉTICA

Desafios e oportunidades na América
Latina e no Caribe
 

 

Strategy

SÍNTESE INFORMATIVA

Informações do setor energético
no Brasil e na América Latina
 Strategy

NOTÍCIAS

Acompanhe as últimas notícias 
do setor energético
 

 

Ideas

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Leia as edições anteriores